pleura

O que é pleura? Entenda sobre a membrana que reveste os pulmões

A pleura é a membrana serosa que reveste a parede interna do tórax e envolve os pulmões, protegendo do atrito contra a parede torácica.

Formada por duas camadas, a visceral e a parietal, separadas por um fluido seroso que desempenha o papel de lubrificante.

O folheto parietal é a camada externa das cavidades pleurais e está em contato com a parede torácica, o mediastino e o diafragma.

Quer entender melhor? Confira neste artigo!

O que é a pleura?

A pleura é uma espécie de revestimento dos pulmões. Composta por uma camada de células, chamadas mesoteliais, possui duas camadas: uma que reveste o interior da parede torácica e uma, dita visceral, em continuidade direta com o pulmão e cobrindo-o.

Entre essas duas camadas, as quais denominamos lâminas, existe um espaço virtual, a cavidade pleural, lubrificada por uma fina película líquida. Essa então tem como função, dentre outras coisas, reduzir as forças de atrito entre o pulmão e a parede a cada movimento respiratório.

Além desse papel essencial de envelope mecânico, também é um local de troca de líquido e células com o parênquima pulmonar (tecido). Quando está com alguma anomalia ou inflamação, seus ataques podem induzir fortes dores no peito.

Pneumotórax: ar na cavidade da pleura

Um grande número de doenças da pleura tem como característica a presença de ar ou líquido entre os dois folhetos, de um lado ou dos dois lados.

Nesse caso, fala-se em pneumotórax na presença de ar. Essa situação pode ocorrer durante um trauma torácico ou após uma punção do espaço pleural ou do pulmão durante um procedimento médico. Frequentemente, o pneumotórax ocorre sem motivo aparente também. É, então, denominado pneumotórax espontâneo.

Mais comum em jovens, altos, magros e fumantes, manifesta-se em dores no peito e falta de ar.  A evolução costuma ser espontaneamente favorável. No entanto, quando o pneumotórax é grave, é necessário evacuar o ar com agulha ou dreno.

O risco de recorrência não é zero e às vezes é necessária uma cirurgia para “colar” definitivamente as duas lâminas uma contra a outra.

Derrame pleural

Em outras doenças, o espaço pleural é o local de uma quantidade anormalmente abundante de líquido. Nesse caso, fala-se em derrame pleural e, em certas circunstâncias, de pleurisia.

As causas são diversas e, muitas vezes, o médico deve realizar uma punção nesse líquido para analisá-lo e esclarecer seu diagnóstico, ou mesmo evacuá-lo para facilitar a respiração.

Assim, essas punções pleurais são feitas através da parede torácica, geralmente nas costas. São efusões frequentes em muitas doenças, como insuficiência cardíaca, lesões cancerígenas, embolia pulmonar ou infecções.

Este último, frequente e grave em pacientes frágeis ou idosos, costuma complicar o quadro. Às vezes, o líquido é pus, o que é chamado de pleurisia purulenta.

Além disso, o tratamento deve ser precoce e os médicos, além da instalação de antibióticos, devem evacuar esse líquido infectado por punção, dreno ou cirurgia.

Cânceres e metástases

As lesões cancerosas pleurais podem ser causadas por cânceres de outros órgãos, em particular do pulmão, com metástases pleurais.

O mesotelioma é frequentemente causado pela exposição anterior (mais frequentemente ocupacional) ao amianto, que foi amplamente utilizado no setor industrial. Partículas de amianto inaladas migram para a pleura.

Esse câncer pode ocorrer até 40 anos após a exposição ao amianto. Às vezes, nenhuma exposição é encontrada, sugerindo outros fatores de risco.

Finalmente, outras anormalidades pleurais secundárias ao amianto, como espessamentos chamados placas, são benignas.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em cirurgia torácica em Belo Horizonte!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp