câncer

Quando o câncer atinge o pulmão?

O câncer de pulmão é um dos mais comuns entre os tumores malignos, atingindo desde a traqueia até a periferia do pulmão. É tido como uma das principais causas de mortes que poderiam ser evitadas, uma vez que 90% das pessoas que desenvolvem a doença, fumam ou fumaram em algum momento da sua vida.

Anualmente, há um aumento de aproximadamente 2% nos casos deste tumor maligno no pulmão em todo o mundo.

A identificação para o câncer de pulmão é realizada conforme o tipo de células acometidas, como os alvéolos ou os bronquíolos. Existem vários tipos deste tumor, e eles são divididos basicamente em dois grupos:

Tumor maligno de células pequenas: são mais raros e agressivos. Ele se propaga pelo sistema linfático, onde as células cancerígenas penetram nos vasos linfáticos e se desenvolvem nos gânglios linfáticos em volta dos brônquios e no mediastino, que é parte central da caixa torácica.

Ao afetarem os nódulos linfáticos, possivelmente essas células já se espalharam para outros órgãos do corpo.

Tumor maligno de células não-pequenas: são mais comuns, e possuem três subtipos: adenocarcinomas, carcinomas de células grandes e carcinomas de células escamosas.

Quando o pulmão é acometido pelo câncer?

O câncer de pulmão metastático é um tipo de neoplasia maligna que surge como uma metástase de outro tumor, como por exemplo, o de mama ou de bexiga.

Ele ocorre quando um tumor inicial, em outra parte do corpo, propaga suas células para a corrente sanguínea e essas chegam até o pulmão.

Os tumores comuns que se espalham pelos pulmões incluem:

  • Bexiga;
  • Mama;
  • Cólon;
  • Rim;
  • Neuroblastoma;
  • Próstata;
  • Sarcoma;
  • Tumor de Wilms.

Entretanto, vale ressaltar que qualquer tipo de tumor maligno tem o potencial de se espalhar pelos pulmões.

Como é feito o diagnóstico do câncer de pulmão?

Na maioria das vezes, diagnosticar prematuramente o carcinoma de pulmão não é uma tarefa fácil, uma vez que a doença somente apresenta sintomas quando já está em estágio avançado. Por esse motivo, apenas 20% dos casos são diagnosticados de forma precoce.

Outro fator que dificulta o diagnóstico é que não há sinais específicos da doença, visto que os sintomas são os mesmos apresentados por outras doenças respiratórias relacionadas ao fumo, como bronquite, pneumonia e enfisema pulmonar.

Por esse motivo, o diagnóstico busca avaliar o aspecto radiológico do tumor. Geralmente, é feito por tomografia ou radiografia de tórax, por ser a forma mais prática e direta.

A biópsia também se faz necessária para confirmar o diagnóstico, visto que imagens suspeitas podem indicar algo benigno, como uma infecção ou lesão, por exemplo.

Desta maneira, é feita a broncoscopia (endoscopia respiratória). Esse exame tem o poder de olhar no interior dos brônquios e assim realizar as biópsias das áreas suspeitas.

Em algumas situações, uma pequena amostra de tecidos lesionados é retirada para análise. Existe também a possibilidade da biópsia guiada por tomografia. Ela é utilizada em situações onde o tumor está mais próximo da caixa torácica.

Outros tipos de exames podem ser solicitados. São eles: cintilografia óssea, onde é injetado um líquido na veia que possibilita rastrear o esqueleto por meio de imagens.

A tomografia computadorizada, para detectar a extensão do câncer, e a ressonância magnética do cérebro, para atestar a possível existência de metástase.


Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em cirurgia torácica em Belo Horizonte

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp