Vacina da gripe

Pacientes oncológicos podem tomar a vacina da gripe?

Entre os dias 4 de abril e 3 de junho ocorre a campanha para incentivar a tomada da vacina da gripe do ano de 2022. Essa campanha visa minimizar os efeitos da doença em pacientes que fazem parte dos grupos prioritários, proporcionando uma redução da carga viral e, consequentemente, o abrandamento dos sintomas da doença. 

Neste ano, o Ministério da Saúde comprou 60 milhões de doses, o suficientes para vacinar todas as 54 milhões de pessoas que têm alto risco de desenvolver complicações da doença.

Se você é ou conhece alguém que é paciente oncológico, continue a leitura desse artigo para se informar mais sobre a vacinação.

Quem faz parte dos grupos prioritários?

De acordo com o Ministério da Saúde, quem tem prioridade para se vacinar contra a gripe são idosos, grávidas, professores e profissionais da saúde, crianças de seis meses a cinco anos, mulheres que tiveram filhos há até 45 dias, presidiários, funcionários do sistema prisional e indígenas. Essas pessoas devem procurar uma unidade de saúde para tomarem a sua dose anual até o dia 1º de junho. 

Pessoas com doenças crônicas (diabetes, asma, câncer) ou condições clínicas especiais (respiratórias, cardíacas, renais, hepáticas, neurológicas, diabéticos, obesos, imunossuprimidos, transplantados) também podem se vacinar, desde que apresentem indicação médica). 

Vacina da gripe: o paciente oncológico pode tomar? 

Não só pode, como deve. Tanto a vacina trivalente fornecida pela rede pública (SUS), quanto a  quadrivalente vendida na rede privada, são compostas por vírus inativados, ou seja, não trazem risco de provocarem a infecção.

Isso vale tanto para pacientes que estão em tratamento no momento, bem como para aqueles que já o concluíram. 

A importância de tomar a dose da vacina anualmente se encontra no fato de que o tratamento contra o câncer pode fragilizar o sistema imunológico do paciente que, se acometido pelo vírus da gripe, pode ter sintomas muito fortes. Assim, tomar a vacina é mais uma forma de garantir que, caso haja contaminação, o efeito da doença não seja sentido de maneira tão forte. 

Para dúvidas,  informações e direcionamentos, entre em contato com o seu médico. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do nosso trabalho em cirurgia torácica em Belo Horizonte!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp